Papel das mulheres na corrida para uma vacina COVID-19

Escrito por Kassandra Burd, M.Sc. Neuropsicologia Cognitiva, Universidade de Kent

Em meio a uma pandemia de saúde, é difícil ter esperança. O fluxo de notícias negativas bombardeando nossos feeds de mídia social impacta negativamente nossa saúde mental, pois se torna cada vez mais difícil ver um fim à vista com a atual crise de saúde. Nesses momentos, a sensação de desesperança pode contribuir para a sensação de grave descontrole da situação, contribuindo para a crença de que nada pode ser feito. No entanto, é importante sabermos que o que não ouvimos com frequência são os avanços que muitos pesquisadores médicos e de saúde estão dando para criar uma vacina COVID-19 para ajudar a erradicar o vírus. O que precisamos agora, mais do que nunca, é de notícias positivas que nos ajudem a superar este momento desafiador. Uma das coisas que podemos fazer é lançar luz sobre alguns dos profissionais de saúde e pesquisadores que estão lutando para tornar uma cura potencial uma realidade. Mantendo o destaque das mulheres nas áreas de STEM, é encorajador olhar para as muitas mulheres que estão na vanguarda da busca de uma cura, não apenas para acentuar seus esforços, mas também para mostrar a meninas e mulheres o papel crítico que as mulheres cientistas desempenham nos bastidores, o que pode inspirá-los a buscar o STEM.

Nas últimas notícias, cientistas em Toronto descobriram “o agente responsável pelo surto contínuo de COVID-19” (O'Neil, 2020). Um desses cientistas é a Dra. Samira Mubareka, microbiologista e médica de doenças infecciosas que atualmente trabalha no Hospital Sunnybrook. Sua pesquisa envolve o trabalho com um modelo de mamífero para estudar a transmissão do vírus da gripe, especificamente trabalhando com porquinhos-da-índia em sua pesquisa para analisar os modos de transmissão (Sunnybrook Health Sciences Center, 2020). Outra cientista que trabalha incansavelmente em uma vacina é a Dra. Deborah Fuller, vacinologista e professora de microbiologia na Escola de Medicina da Universidade de Washington (Weinberger, 2020). Ela é especialista em vacinas de DNA / RNA para estimular anticorpos que lutam contra vírus, que ela acredita que podem ser eficazes para criar uma vacina para COVID-19. Infelizmente, no passado, uma vacina de DNA / RNA não teve sucesso suficiente em testes em humanos para ser aprovada para uso público, mas ela é citada como tendo dito que “sabemos qual é a resposta imune necessária, sabemos qual antígeno precisamos para codificar com nossas vacinas é, e temos as tecnologias de vacinas para fazer isso, então vamos correr com isso e ver o que podemos fazer! ” (Weinberger, 2020. A persistência do Dr. Mubareka e do Dr. Fuller é a garantia de que a sociedade precisa desesperadamente neste momento angustiante.

Além disso, uma equipe feminina de cientistas em Maryland, EUA, liderada pela Dra. Nita Patel, diretora de desenvolvimento de vacinas e descoberta de anticorpos da Novavax, também está trabalhando para encontrar uma solução para esta epidemia (Sanchez, 2020). Embora mais testes precisem ser realizados, eles desenvolveram três vacinas possíveis que poderiam ser bem-sucedidas em testes em humanos (Sanchez, 2020). Isso não é apenas promissor como uma solução para combater o COVID-19, mas ilustra o trabalho árduo que está sendo orquestrado por mulheres na ciência e como seus esforços podem potencialmente mudar o mundo para melhor. Dr. Patel diz: “... sabendo que veio das mãos de mulheres, o que você acha que isso fará com as meninas que estão pesquisando ciências?” (Sanchez, 2020).

De acordo com a Organização Mundial da Saúde em uma análise de 104 países, as mulheres estão na linha de frente no combate a esta crise de saúde global, já que aproximadamente 70% da atenção à saúde global é composta por mulheres (Connley, 2020). Em uma escala geográfica menor, mais de 90% dos profissionais de saúde em Hubei, China, são mulheres (Connley, 2020). Estudos têm demonstrado que os homens têm maior probabilidade de morrer em decorrência do COVID-19, entretanto, os especialistas levantam a questão se as mulheres têm maior chance de adquirir o vírus, considerando suas posições nos cuidados de saúde (Connley, 2020). Em última análise, isso mostra o trabalho tenaz que as mulheres estão realizando para ajudar outras pessoas afetadas por essa doença, seja em ambientes hospitalares ou de pesquisa. É crucial que reconheçamos seus esforços e façamos o que pudermos como sociedade para protegê-los e ser gratos pela diferença que estão fazendo em todo o mundo.

Muitas mulheres ao longo da história desempenharam um papel crítico no desenvolvimento de vacinas. Por exemplo, Dra. Anna Williams (vacina contra difteria), Dra. Pearl Kendrick e Grace Eldering (vacina contra coqueluche) e Dra. Isabel Morgan (parte essencial na criação de uma vacina contra poliomielite) são apenas algumas mulheres que introduziram com sucesso a cura e o tratamento para o público, especificamente aqueles que sofreram dessas doenças debilitantes (Rhodes, 2019). Esses exemplos servem de inspiração para mulheres interessadas em fazer ciência e fomentam a crença de que as mulheres podem, e fazem, muitas vezes produzir mudanças positivas nos campos STEM. Reconhecer o papel dessas mulheres na ciência e na saúde deve lançar luz sobre sua competência e capacidade de tomar ações afirmativas e trazer esperança e otimismo para nossa sociedade em constante evolução. Sem seus esforços, a transformação positiva da sociedade é retardada ou inexistente, razão pela qual não devemos considerar seus esforços como garantidos. As conquistas das mulheres nas ciências e na saúde na era de hoje, esperançosamente, cultivarão uma nova geração de mulheres que acreditam que suas forças e capacidades pessoais são suficientes para lutar contra os desafios sistêmicos que ameaçam impedir seus talentos e esforços. Com o tempo, está se tornando cada vez mais óbvio que as mulheres são necessárias nas áreas STEM à medida que continuam a deixar sua marca no mundo.