Limitações do paradoxo da igualdade de gênero

by Kassandra Burd, M.Sc. Neuropsicologia Cognitiva, Universidade de Kent

Kassandra Burd

É completamente sensato pensar que, se vivêssemos em uma nação com maior igualdade de gênero, haveria mais mulheres trabalhando em STEM.

Freqüentemente, presume-se que, se homens e mulheres forem vistos como iguais, o equilíbrio de mulheres que ocupam posições de campo STEM estaria no mesmo nível dos homens.

No entanto, de acordo com um estudo publicado na APS's Psychological Science, este não é o caso. Parece que existe um “paradoxo da igualdade de gênero” que existe em nações que são conhecidas por desencorajar a igualdade dos sexos (Stoet & Geary, 2018).

Por exemplo, em países como a Argélia, onde as mulheres muitas vezes enfrentam discriminação no emprego, 41% dos graduados em áreas STEM são mulheres, enquanto em países como os EUA, a proporção de mulheres em STEM é muito menor (Stoet & Geary, 2018) .

Na Jordânia, os formados em engenharia são compostos por 40% de mulheres, enquanto nos Estados Unidos, eles representam apenas 19% (Mastroianni & McCoy, 2018). A implicação é que, quando as mulheres têm autonomia em países que promovem a liberdade de escolha e a autonomia total, é menos provável que escolham as áreas STEM como a carreira desejada. Quais seriam as possíveis razões para essa correlação negativa?

Uma das suposições tem a ver com os países com igualdade de gênero encorajando as mulheres a seguir qualquer ocupação que preferirem, ou trabalhar onde quer que estejam seus pontos fortes.

Na maioria dos países, os homens tendem a se destacar em áreas relacionadas a matemática / ciências, enquanto as mulheres se destacam mais em leitura e compreensão (Khazan, 2018). De acordo com as estatísticas, 24% das meninas mencionaram as ciências como sua matéria mais forte, enquanto 38% dos meninos disseram que as ciências eram as mais fortes.

Quanto à leitura e compreensão, 51% consideraram a leitura como sua melhor matéria, enquanto apenas 20% dos meninos se destacaram na leitura (Khazan, 2018). Essa descoberta não apenas gera questões sobre diferenças culturais, mas também sobre diferenças biológicas.

Será que as mulheres simplesmente não estão interessadas em praticar STEM? Isso pode ser uma possibilidade, mas também pode ser que as mulheres não estejam motivadas a seguir carreiras em STEM devido à discriminação que provavelmente encontrarão no processo. A falta de interesse pode resultar mais do ambiente hostil e tóxico que é perpetuado por uma cultura masculina dominante do que de um mero desinteresse em matemática e ciências.

Portanto, pode ser impreciso atribuir a falta de mulheres em STEM a diferenças biológicas. Além disso, em tenra idade, as meninas são frequentemente persuadidas a se envolver em brincadeiras que cumpram o papel feminino tradicional de educadoras, enquanto os meninos são empurrados para assuntos mais desafiadores que frequentemente envolvem jogos relacionados à ciência e engenharia. Em última análise, isso lança luz sobre a noção de que o meio ambiente desempenha um papel proeminente nos interesses dos homens e mulheres.

Outra suposição é que países com menos igualdade de gênero oferecem menos apoio às mulheres que não assumem os papéis tradicionais de gênero, mas preferem seguir uma carreira profissional. Por causa da falta de apoio e segurança financeira, as mulheres podem gravitar em torno de profissões STEM devido ao fato de que geram resultados financeiros superiores (Khazan, 2018).

Isso pode ser parcialmente verdade, mas seria impreciso presumir que as mulheres em países com menos igualdade de gênero acreditam que uma profissão STEM seja sua única escolha. Essencialmente, isso cria a narrativa estereotipada convencional de que a única razão pela qual as mulheres optam por seguir uma carreira em STEM é porque acreditam que esse é o único caminho verdadeiro para o sucesso. Além disso, perpetua a suposição errônea de que as mulheres simplesmente não estão interessadas em assuntos STEM; ou pior, que não são tão competentes quanto os homens.

Resumindo, é importante observar que pode haver potenciais fatores de confusão e limitações que não foram considerados nesses estudos; é evidente que novas pesquisas devem ser realizadas para melhor compreender a razão por trás desse fenômeno.

No entanto, é um conceito interessante que as mulheres possam estar menos inclinadas a entrar nos campos STEM em nações que defendem a igualdade de gênero. Talvez gênero e cultura influenciem um ao outro de maneiras ainda a serem descobertas. Apesar disso, é claro que as mulheres que desejam seguir carreiras em STEM enfrentam barreiras intransponíveis que as impedem de fazê-lo.

De acordo com pesquisas, há um número maior de mulheres que se destacam em matemática e ciências do que o número de mulheres que terminam com diplomas em STEM (Stoet & Geary, 2018). A questão não é tanto se as mulheres estão interessadas em STEM, mas mais em tornar suas atividades desejadas mais encorajadoras e facilmente acessíveis, a fim de aumentar a probabilidade de sucesso.

Não há dúvida de que as mulheres têm muito a contribuir, seja nas áreas STEM ou em áreas não relacionadas às STEM, e que devemos eliminar as barreiras que ignoram as realizações das mulheres e impedem seu sucesso. As mulheres devem ser capazes de buscar suas escolhas profissionais desejadas sem medo de que não haja espaço para avanços e sem as pressões sociais que tentam influenciar as mulheres nas decisões que são suas por direito.